Skoda mostra como desenvolveu a chave do carro e aponta ao futuro ‘keyless’

Durante muito tempo, entrámos no automóvel ao virar uma chave na fechadora da porta. Porém, a necessidade de inserir uma chave na fechadura fo...

Durante muito tempo, entrámos no automóvel ao virar uma chave na fechadora da porta. Porém, a necessidade de inserir uma chave na fechadura foi desaparecendo gradualmente. Os primeiros sistemas de controlo remoto chegaram, primeiro com dois botões para trancar e destrancar, e mais tarde com um botão separado para abrir apenas a bagageira.

A chave passou a dobrar-se na pega, mas ainda assim o utilizador tinha de inseri-la na ignição para ligar o motor. Depois, surgiram os sistemas sem chave que permitem abrir o automóvel e ligar o motor sem ter de tirar a chave do bolso.

“O que não mudou nas chaves foi o eixo com um perfil fresado, quer à moda antiga, no bordo exterior, quer atualmente dentro do eixo, que é inserido no módulo da chave como uma solução de recurso, caso a bateria da chave ou a bateria do automóvel se esgotem e o automóvel não puder ser destrancado remotamente. Apesar de já não ser visível por fora, cada modelo da Skoda também tem um cilindro mecânico clássico na porta do condutor”, sublinhou Petr Jirásko, do Departamento de Desenvolvimento de Mecanismos de Porta Lateral e Bagageira, acrescentando que não falta muito para que até o desbloqueio de emergência seja feito apenas eletricamente.

Está, portanto, a chegar o fim das chaves físicas nos automóveis. É, de facto, verdade que a ausência de um desbloqueio mecânico significa uma maior proteção contra o roubo – nenhum cilindro de bloqueio significa um veículo mais protegido. Para destrancar ou trancar uma porta com este sistema, é necessário mudar o bloqueio da posição de trancado para a posição de destrancado e vice-versa. Ao contrário de rodar fisicamente uma chave num cadeado, ao destrancar remotamente a unidade de controlo da porta recebe um sinal da chave e envia um comando ao motor para trancar ou destrancar.

E se se aproximar do seu automóvel e ele não se destrancar?

A bateria da chave está provavelmente descarregada. Tem de deslizar a lâmina da chave de reserva e usá-la para destrancar a porta do condutor mecanicamente. Mas como se liga o motor? Tudo isto está descrito no manual do automóvel.

Nos sistemas sem chave mais antigos, segura-se a chave ao lado do botão de arranque do motor; em veículos mais recentes, o lugar é no porta-copos. A chave tem uma bobina no seu interior que o automóvel usa para verificar se é a certa, e o motor arranca. A chave não precisa de energia para o fazer, por isso o motor pode ser iniciado mesmo quando a bateria da chave está completamente descarregada. É pior se o automóvel não se destrancar porque a bateria do automóvel está descarregada. Neste caso não há escolha a não ser abrir mecanicamente a porta do condutor como descrito e recarregar a bateria.

O futuro é sem chave (keyless)

Os modernos sistemas de entrada sem chave estão, atualmente, na moda. Hoje, existem duas gerações destes sistemas em automóveis Skoda. “Nos mais antigos, a comunicação funciona da seguinte forma: a pessoa com a chave aproxima-se do veículo, que está à espera de um sinal, tipicamente a inserção dos dedos no espaço do punho ou a pressão do botão de desbloqueio da bagageira. Um sensor na pega envia um pedido para a unidade de controlo, que diz às antenas para procurarem a chave na área em redor. Deliberadamente, estas antenas não têm um longo alcance e estão por essa razão alojadas nas duas portas da frente. Se a chave estiver dentro do seu alcance, as antenas captam-na e enviam uma resposta positiva à unidade de controlo do painel de instrumentos. E isso desbloqueia o veículo”, sublinhou Zdeněk Říha, do Departamento de Eletrónica e Arquitetura da Carroçaria.

As gerações mais recentes de desbloqueio sem chave – agora incluídas na quarta geração do Skoda Octavia e do Enyaq iV – também oferecem uma função de desbloqueio automático. Se a função for ativada e a chave estiver a cerca de um metro do automóvel, a porta abre-se. O sistema verifica ativamente o seu ambiente – as antenas enviam ciclicamente um sinal e assim que deteta a chave “certa” e, uma vez verificado, o veículo fica desbloqueado ou as luzes “de boas-vindas” são ligadas, se configuradas.

Para além disso, a bagageira também pode ser aberta da mesma forma utilizando o Pedal Virtual: mantém-se o pé debaixo do para-choques traseiro, o sensor capta o pedido e pede a verificação de que a chave está presente. A bagageira desbloqueia-se e então abre-se.

Assim que o condutor estiver dentro do automóvel e quiser ligar o motor, a presença da chave é verificada novamente. “Neste caso, o requisito é premir o botão ‘start/stop’. O Enyaq iV já tem uma versão mais recente deste sistema que elimina a necessidade de carregar no botão.

"Neste caso, o sinal é mover a mudança para a posição D. Mas é necessário que se cumpram várias condições: o banco do condutor deve estar ocupado, o cinto de segurança do condutor deve ser colocado e o travão deve estar aplicado, claro. Da mesma forma, não é necessário desligar o veículo – ao desapertar o cinto de segurança e mover a alavanca da mudança para a posição P, o motor desliga-se. Porém, por enquanto o automóvel não se tranca quando o deixa com a chave no bolso – esta função está a ser testada neste momento e está prevista para o futuro”, acrescentou Zdeněk Říha.

Num futuro cada vez mais próximo, existem também planos para destrancar o veículo com um telemóvel ou smartwatch através de tecnologia UWB, Bluetooth e NFC, o que já acontece com algumas marcas. Esta deverá ser uma realidade generalizada nos próximos anos. A tendência para um futuro um pouco mais distante são os automóveis com todo o tipo de antenas espalhadas, à sua volta.

Naturalmente, trata-se de conectividade, desta vez para a comunicação com as infraestruturas circundantes, outros automóveis e utentes da estrada, e assim por diante. A era autónoma está a caminho e estas tecnologias serão necessárias para nos levar ao nível quatro de condução autónoma e mais além.

A caixa UWB protege contra a extensão do sinal

A nova geração de sistemas de entrada sem chave oferece uma característica de segurança engenhosa: proteção contra o que é conhecido como “extensão de sinal”. Até hoje, ainda nos deparamos, ocasionalmente, com relatos de ladrões que tentam roubar um automóvel estacionado amplificando (ou “estendendo”) o sinal da chave necessária para o abrir. Os novos modelos Octavia e Enyaq iV da Skoda  já estão equipados com um dispositivo chamado caixa UWB que evita esta situação.

UWB significa Ultra Wide Band e o dispositivo funciona com base no princípio da verificação do time-of-flight do sinal. Ou seja, o sinal viaja à velocidade da luz, por isso a caixa UWB envia um sinal para chave e aguarda uma resposta, que deve chegar dentro de um determinado tempo. Se o sinal for estendido, nunca chegará a tempo – é uma impossibilidade física.

Etiquetas:
Artigos Relacionados