AutoGear
Redes Sociais

Conduzimos o revolucionário e urbano Dacia Spring

O Dacia Spring é o primeiro modelo 100% elétrico da marca romena do Grupo Renault, que se apresenta como um citadino que pretende democratizar o aces...

O Dacia Spring é o primeiro modelo 100% elétrico da marca romena do Grupo Renault, que se apresenta como um citadino que pretende democratizar o acesso aos veículos elétricos, ou não estivéssemos perante o elétrico mais acessível do mercado.





Comercializado em Portugal com preços a partir dos 17.000 euros para clientes particulares, valor que pode descer para os 14.000 euros, com os incentivos do Estado para a compra de veículos elétricos, o Spring é um verdadeiro citadino apresentando-se com 3,7 metros de comprimento e 1,77 de largura, e um diâmetro de viragem de apenas 9,6 metros entre passeios.









O SUV compacto, de vocação essencialmente urbana (mas não só), surpreendente na agilidade, na robustez, bem como no espaço que proporciona aos quatro passageiros, e a o aproveitamento do espaço da zona da bagageira, que atinge os 290 litros, que podem chegar aos 631 litros com o banco traseiro rebatido.





Para além disso, os passageiros contam com 23,1 litros de espaço de arrumação, divididos entre o porta luvas, as bolsas nas portas e um compartimento na consola central. Os passageiros do banco traseiro, contam com bolsas colocadas nas costas dos bancos dianteiros.





No contacto que tivemos com o novo Spring, percebemos que este modelo 100% elétrico da Dacia não passa despercebido, mesmo em autoestrada, já que a dianteira com o capot vincado, para-choques alargados e faróis em LED, a que se junta uma grelha dianteira e totalmente fechada, revelam a personalidade deste modelo, marcada por um estilo contemporâneo.









No interior, o equipamento de série inclui direção com assistência integralmente elétrica, ar condicionado manual, fecho centralizado, quatro vidros elétricos, sensor de luz e limitador de velocidade (o comando deste está colocado no volante). Já o tradicional comando da caixa de velocidades deu lugar a uma prática roda cromada para selecionar o sentido da marcha.





A Dacia lembra que tudo que é essencial à condução e ao conforto está no Spring e por isso, o volante não está dotado de botões para o rádio, mas oferece uma boa pega, os comandos dos vidros elétricos estão colocados na consola central, mas existem vidros elétricos nas portas traseiras e para que o conforto seja a preceito, todos os painéis interiores estão forrados a plástico, sem chapa à vista.





Para além disso, a instrumentação é clara, existindo painel de instrumentos digital com 3,5 polegadas para o velocímetro e computador de bordo, que o condutor comanda através de um botão colocado no painel de instrumentos. O Spring está ainda equipado com um sistema de infoentretenimento MediaNav, disponível num ecrã tátil de 7 polegadas, tudo simples e claro.









Para testar a nova aposta da Dacia, tivemos pela frente o desafio de viajar entre Oeiras e Setúbal, num percurso de ida e volta com passagem pelo centro de Lisboa, onde o Spring se sente como ‘peixe na água’.





Logo que nos sentamos ao volante e rodamos a chave, constamos que a bateria com 27,4 kWh de capacidade, oferecia uma autonomia de 227km, dos 230 km no ciclo WLTP e 305 km no ciclo WLTP cidade, que a Dacia reivindica para o Spring, o que veio a mostrar-se mais do que suficiente para o teste realizado.





O motor elétrico debita 33 kW de potência (o equivalente a 44 cavalos) e 125 Nm de binário, números que permitem ao Dacia Spring acelerar dos 0 aos 50 km/h em 5,2 segundos.









De forma a controlar o consumo da bateria, existe na consola central um botão que permite acionar o modo de condução ECO, já que não existe modos de regeneração, que limita a potência aos 30 cv de potência, e a velocidade máxima é de 100 km/h, face aos 125 km/h de registo máximo anunciado.





Não pense que apesar de estarmos perante um citadino, o Spring compromete quando circula em auto estrada. É certo que está longe de ser um estradista, mas a verdade é que quando carregamos no acelerador é enérgico e consegue manter uma velocidade aceitável sem comprometer.





Para além disso, com a entrega de binário instantâneo, as ultrapassagens são fáceis de realizar em segurança, sem abusos, até porque os pneus finos e a direção leve do Spring, não aconselham excessos, nomeadamente nas curvas, e a carroçaria é sensível aos ventos laterais.





Interessante foi perceber que fora de estrada, o Dacia Spring revela um bom comportamento, beneficiando de uma maior altura ao solo, 151 mm em vazio, que ajudam a transpor pisos de terra batida mal tratados.





Já em cidade, o Spring é uma verdadeira surpresa pela facilidade de condução e resposta aos mais variados percursos, beneficiando do seu eficaz motor elétrico e do seu peso que fica abaixo dos 1.000 kg.





O certo é que no teste realizado, o Spring percorreu cerca de 200 km ao longo deste dia de experiência ao volante do primeiro elétrico da Dacia, com cerca de 50 km em autoestrada e apresentou no final um consumo médio 11,4 kWh/100 km, o que nos permitiu regressar a Oeiras de forma confortável e com autonomia, apesar do trânsito intenso e do cuidado em levantar o pé do acelerador sempre que rodamos em cidade.





O carregamento da bateria de iões de lítio pode ser realizado em menos de uma hora para atingir 80% da carga, num terminal de 30 kW DC e menos de 1,5 horas para atingir os 100%.





Já se recorrermos a uma Wallbox de 7.4kW, a bateria do Spring fica carregada em 100% em menos de 5 horas, enquanto se utilizarmos uma Wallbox de 3.7 kW, a mesma tarefa demora 8,5 horas





Se optarmos por carregar a bateria através de uma tomada doméstica de 2.3 kW, a operação vai demorar menos de 14 horas, o que não belisca em nada a liberdade que o Dacia Spring revela para quem circula diariamente no interior das cidades.









Na fase inicial de comercialização, o novo Spring, está disponível com uma versão dotada de um “pack” colorido, que conta com espelhos, barras de tejadilho, acabamentos das portas e as molduras das entradas de ar são em laranja ou com apontamentos no mesmo tom.





No interior, os revestimentos dos bancos, assim como as molduras das saídas de ventilação e do ecrã multimédia, também são em laranja, enquanto os painéis das portas são em cinzento brilhante.





Tome nota que a partir de abril de 2022, o Dacia Spring vai contar com uma variante de ligeiro de mercadorias, o Spring Cargo, que promete ser uma solução adequada e económica para as entregas em zonas urbanas.


Etiquetas:
Artigos Relacionados
SportTV Halfpage